sexta-feira, 27 de abril de 2012

Vida


Vida cigana,
Vida casca de banana,
Ora em pé, outrora deitado,
Vida
Vida na roda gigante,
Ora em cima, ora em baixo
E eu aqui, de cabeça pra baixo.

domingo, 22 de abril de 2012

Olhos nos olhos


Quando você me deixou, meu bem
Me disse pra ser feliz e passar bem
Quis morrer de ciúme, quase enlouqueci
Mas depois, como era de costume, obedeci

Quando você me quiser rever
Já vai me encontrar refeita, pode crer
Olhos nos olhos
Quero ver o que você faz
Ao sentir que sem você eu passo bem demais

E que venho até remoçando
Me pego cantando, sem mais, nem por quê
Tantas águas rolaram
Quantos homens me amaram
Bem mais e melhor que você

Quando talvez precisar de mim
Cê sabe que a casa é sempre sua, venha sim
Olhos nos olhos
Quero ver o que você diz
Quero ver como suporta me ver tão feliz

Atrás da Porta


Quando olhaste bem nos olhos meus
E o teu olhar era de adeus
Juro que não acreditei, eu te estranhei
Me debrucei sobre teu corpo e duvidei
E me arrastei e te arranhei
E me agarrei nos teus cabelos
Nos teu peito, teu pijama
Nos teus pés ao pé da cama
Sem carinho, sem coberta
No tapete atrás da porta
Reclamei baixinho
Dei pra maldizer o nosso lar
Pra sujar teu nome, te humilhar
E me vingar a qualquer preço
Te adorando pelo avesso
Pra mostrar que ainda sou tua

Chico Buarque

domingo, 15 de abril de 2012

Agora

Para qualquer coisa que você pretenda fazer na vida — exceto morrer — esta é tua última oportunidade. Morrer, você pode até deixar pra mais tarde... Mas o resto tem que ser agora.


Edson Marques

Bom saber

Não irá me tocar novamente,
Bom saber, como é bom saber,
Não tenho obrigações com você,
E nem você comigo,
Bom saber,
Relacionamento de aparência,
O melhor que aconteceu...
Meu prazer?
Sua cara de arrependimento...
E eu, querendo mais,
É pecar sem culpa....

Subversiva


A poesia
Quando chega
Não respeita nada.
Nem pai nem mãe.
Quando ela chega
De qualquer de seus abismos
Desconhece o Estado e a Sociedade Civil
Infringe o Código de Águas
Relincha
Como puta
Nova
Em frente ao Palácio da Alvorada.
E só depois
Reconsidera: beija
Nos olhos os que ganham mal
Embala no colo
Os que têm sede de felicidade
E de justiça.
E promete incendiar o país.

Escrever, Humildade, Técnica

Essa incapacidade de atingir, de entender, é que faz com que eu, por instinto de… de quê? procure um modo de falar que me leve mais depressa ao entendimento. Esse modo, esse “estilo” (!), já foi chamado de várias coisas, mas não do que realmente e apenas é: uma procura humilde. Nunca tive um só problema de expressão, meu problema é muito mais grave: é o de concepção. Quando falo em “humildade” refiro-me à humildade no sentido cristão (como ideal a poder ser alcançado ou não); refiro-me à humildade que vem da plena consciência de se ser realmente incapaz. E refiro-me à humildade como técnica. Virgem Maria, até eu mesma me assustei com minha falta de pudor; mas é que não é. Humildade com técnica é o seguinte: só se aproximando com humildade da coisa é que ela não escapa totalmente. Descobri este tipo de humildade, o que não deixa de ser uma forma engraçada de orgulho. Orgulho não é pecado, pelo menos não grave: orgulho é coisa infantil em que se cai como se cai em gulodice. Só que orgulho tem a enorme desvantagem de ser um erro grave, com todo o atraso que erro dá à vida, faz perder muito tempo.

Vaidade

Sonho que sou a Poetisa eleita,
Aquela que diz tudo e tudo sabe,
Que tem a inspiração pura e perfeita,
Que reúne num verso a imensidade!
Sonho que um verso meu tem claridade
Para encher todo o mundo! E que deleita
Mesmo aqueles que morrem de saudade!
Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!
Sonho que sou Alguém cá neste mundo …
Aquela de saber vasto e profundo,
Aos pés de quem a Terra anda curvada!
E quando mais no céu eu vou sonhando,
E quando mais no alto ando voando,
Acordo do meu sonho … E não sou nada! …


Florbela Espanca

Assim eu vejo a vida


A vida tem duas faces:
Positiva e negativa
O passado foi duro
mas deixou o seu legado
Saber viver é a grande sabedoria
Que eu possa dignificar
Minha condição de mulher,
Aceitar suas limitações
E me fazer pedra de segurança
dos valores que vão desmoronando.
Nasci em tempos rudes
Aceitei contradições
lutas e pedras
como lições de vida
e delas me sirvo
Aprendi a viver.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Leitura

Minhas leituras,
Só existiam a emocional,
Racional, intelectual?
Na poesia?
Nem sabia , que existiam.
INTERPRETAÇÕES
Interpretar,
Interpretar,
Vários sentidos,
Para apenas,
Uma poesia.

Retrato

Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.
Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.
Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
— Em que espelho ficou perdida
a minha face?”
Cecília Meirelles

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Não dá

Não dá para ser meu?
Só, por um dia,
Só, por um minuto,
Não dá para te tocar?
Apenas , por um momento...
Não dá para te sentir?
Não dá, por isso que existem os poetas, os poemas;
Para viver, em meu coração e em minha imaginação.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Chance

Tenho chance, muita chance...
Cheia de esperanças....
Se Cora Coralina
Se tornou poetisa com 76 anos...
Ainda tenho tempo,
Aperfeiçoar, moldar, reinventar,
Melhorar a cada dia,
Quem sabe ,
Um dia, faremos réplicas

Solidão

Que solidão é essa,
Que o Poeta sempre fala,
Que solidão é essa, que vejo em seus olhos?
Que homem é esse, que só eu enxergo?
O que vejo, esta na sua alma!
No mais íntimo do seu ser,
Eu vejo ou estou enganada?
Eu vejo ou me enxergo em você?
Que sensibilidade é essa,
Que esta apenas nas palavras,

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Vicios

Meu vicio é você,
Seus poemas,
Viajar em cada linha,
E me encontrar nas entrelinhas.

Medo





Medo , porque sei que não sou sua,
Você não é meu,
Não é meu amor,
Meu amigo,
Não é nada!
Medo maior,
Não me encontrar mais em suas  linhas.
Não me encontrar nas curvas das suas entrelinhas.

Capas

Pessoas são como livros,
Precisam ser lidos
Nunca pare na capa.
Há muito coisas interessantes,
Dentro de capas não atraentes...